Como o pai pode preparar o ninho e amparar a mãe com a chegada do bebê


Priscila Raposo do Amaral | Ginecologista e Obstetra Antroposófica



A melhor atitude de um homem ao assumir o papel de pai é facilitar facilitar a fusão mãe e bebê, permiti-la e defendê-la. A mãe deve estar com a atenção totalmente voltada à sua cria e não ter qualquer outro tipo de preocupação. Atividades domésticas, cuidados com a casa, com alimentação, com filhos mais velhos e problemas financeiros não devem ocupá-la nesse momento. A ela cabe exclusivamente amamentar, acalmar, cuidar do recém-nascido. Outras atribuições devem ser resolvidas pelo pai ou por outra pessoa que ele achar conveniente. Liberando a mãe para atenção incondicional ao bebê.

A mulher se encontra em uma fase difícil de doação. Amamentar requer entrega. É um período cheio de dúvidas sobre como e quando dar o peito. A mãe pode sentir dor. Esse contexto já suficientemente estressante para a mulher. As preocupações podem afetar a produção de leite.

Antigamente tínhamos as mulheres da família que se ajudavam. Hoje, temos que contar com a ajuda da pessoa mais próxima, o pai. É um novo lugar para o homem, que muitas vezes se via excluído nesse início. Neste momento, o pai tem a oportunidade de defender e proteger o ninho, ser um escudo protetor entre sua nova família e o mundo externo, evitando desequilíbrio emocional da mulher que amamenta. O pai deve cuidar para que haja silêncio e tranquilidade para a mãe e para o bebê. As visita devem ser poucas, apenas as pessoas que deixarem a mãe à vontade e sobre isso é ela quem decide. Mãe e bebê estão se conhecendo. Ela está aprendendo a ser mãe e necessita contar com o apoio do marido, mesmo que este não compreenda o processo é preciso que apoie e proteja. Quando a mulher gera uma criança, o homem gera uma família.

Não fazer questionamentos, porque muitas vezes, a mulher estará seguindo apenas instintos sem saber explicar suas atitudes ou inquietações. A mulher, nessa fase, vive um novo cenário psíquico. Vive o luto pelo fim da liberdade e o amor e responsabilidade por alguém totalmente dependente de seu corpo e alma.

Neste momento, ela precisa de apoio, de alguém que a ame, aceite e permita que a fusão mãe e filho flua. A mulher estando apoiada e sendo amada passará por este turbilhão com mais suavidade e todos se beneficiarão. E o homem, agora pai, irá se sentir orgulhoso de gerar e proteger sua nova família!

166 visualizações

Rua Professora Celina Sampaio, 44  |  Vila São Francisco  |  São Paulo - SP  |  (11) 3718-0209

espacoitawegman.com.br

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
Para saber mais sobre Antroposofia acesse o site
da Sociedade Antroposófica
do Brasil em www.sab.org.br.

2018 © Lancelot Comunicação