Por que procurar uma psicóloga infantil?


Alessandra Ferreira | Psicóloga Infantil



Porque seu filho está passando por uma fase difícil.


Porque ele voltou a fazer xixi na cama depois dos seis anos de idade.


Porque sua filha está muito briguenta, mandona e batendo nos coleguinhas da escola.


Porque ela anda meio triste, aparentemente você não reconhece nenhum motivo aparente.


Às vezes, a questão não está na criança, mas em nós mesmos. Nesse caso, não é o seu filho ou sua filha que irá pra consulta, mas você mesmo.


Estranho? Você vai ver que não.


Entender mais sobre cada fase do desenvolvimento da criança pode deixar a vida bem mais fácil. Aqui não se trata de passar fórmulas prontas para que os pais sigam uma cartilha de como lidar com o filho. O trabalho do profissional nesse caso é orientar, apresentar detalhes sobre cada fase. Dessa forma, fica mais tranquilo lidar com as dificuldades que na certa surgirão pelo caminho. Saber, por exemplo, a importância de determinadas brincadeiras em cada uma das fases do bebê. Conhecer quais brinquedos nem devem ser apresentados às crianças. Entender o que acontece internamente e como isso reverbera para o exterior.


Tudo isso pode ser esclarecido numa conversa com uma especialista.


Mesmo uma família que ainda espera por um bebê, essa também pode ser a hora de marcar uma consulta. Conhecer cada fase do desenvolvimento do filho que ainda nascerá traz mais segurança, confiança e tranquilidade para o casal. Talvez já tenha ouvido falar no Terrible Two. Uma fase de mudança de comportamento pela qual toda criança passa entre os dois ou três anos. Quando os pais sabem que a fase chegará e sabem também que esse momento faz parte do desenvolvimento natural da criança, tudo fica mais fácil.


Até os sete anos, mãe e filho (a) vivem o mesmo campo emocional. Dessa forma, alguns comportamentos que a criança apresenta nessa fase podem dizer mais a respeito às mães do que efetivamente as próprias crianças. Não há nada de errado nisso, é assim que é. Por isso, quanto mais soubermos a respeito dessa relação pais-filho(a), mãe-filho(a) melhor será para todos: para nós (mães e pais), para as crianças e para a nossa relação com os pequenos.


Não se acanhe. Venha conversar!

80 visualizações

Rua Professora Celina Sampaio, 44  |  Vila São Francisco  |  São Paulo - SP  |  (11) 3718-0209

espacoitawegman.com.br

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
Para saber mais sobre Antroposofia acesse o site
da Sociedade Antroposófica
do Brasil em www.sab.org.br.

2018 © Lancelot Comunicação